domingo, janeiro 29, 2006

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.

António Ramos Rosa
Viagem através duma nebulosa – 1960

1 Comments:

Blogger philosophos said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

3:21 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home