terça-feira, janeiro 31, 2006

Lágrima

Cheia de penas
Cheia de penas me deito
E com mais penas
Com mais penas me levanto
No meu peito
Já me ficou no meu peito
Este jeito
O jeito de te querer tanto

Desespero
Tenho por meu desespero
Dentro de mim
Dentro de mim um castigo
Não te quero
Eu digo que não te quero
E de noite
De noite sonho contigo

Se considero
Que um dia hei-de morrer
No desespero
Que tenho de te não ver
Estendo o meu xaile
Estendo o meu xaile no chão
Estendo o meu xaile
E deixo-me adormecer

Se eu soubesse
Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias
Tu me havias de chorar
Uma lágrima
Por uma lágrima tua
Que alegria
Me deixaria matar.

Amália Rodrigues
Lisboa 1920-1999

1 Comments:

Anonymous Renata said...

Já ninguém está disposto a morrer em troca de uma lágrima do seu amor...já ninguém morre de amor...

8:42 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home